Área Temática AT1 – X-disciplinaridade na Pesquisa e na Ação

Apresentação

A AT1 se propõe contribuir ao desenvolvimento teórico e metodológico na produção de conhecimento sobre a água orientado pelos Objetivos e Prioridades de pesquisa da Rede. Falamos de X-disciplinaridade para estimular a reflexão crítica, individual e coletiva, sobre os processos de conhecimento em que estamos envolvidos. Primeiro, interessa-nos questionar o significado concreto dos muitos prefixos que temos acumulado em nossa procura por transcender os encerramentos disciplinares: cros, inter, multi, trans, e incluso posdisciplinaridade, entre muitos outros. Não somente existe uma superpopulação destes termos, mais também estes termos são objeto de diversas definições, muitas vezes rivais e até incompatíveis entre eles. Neste sentido, falamos de X-disciplinaridade para provocar-nos a pensar com maior precisão sobre nossa prática académica, na pesquisa, no ensino e em atividades relacionadas. Ainda mais importante, fazemos isso para forçar-nos a sair da zona de conforto de nossos espaços disciplinares, que frequentemente operam como compartimentos estancos, muitas vezes esterilizantes, e estimular-nos a contribuir no desenvolvimento de formas de produzir conhecimento orientado pelos princípios da complexidade, o pensamento relacional, dialógico, na procura por superar a fragmentação e promover uma maior re-integração das ciências. Segundo, falamos de X-disciplinaridade em reconhecimento de que o conhecimento científico deve dialogar com outros saberes, com outras formas de produção de conhecimento que acontecem fora do espaço académico, como é postulado por algumas definições da “transdisciplinaridade”. Isto implica a interrelação com os diversos atores que produzem conhecimento sobre a água, o que nossa Rede implementa na prática, já que nossos membros incluem pesquisadores, professores e estudantes em diversas etapas de desenvolvimento, especialistas do setor público, membros de organizações sindicais, de usuários, de empresas públicas e comunitárias, entre outros. O campo dos estudos sobre a água que nos convoca em nossa Rede é muito propicio para adotar este enfoque, mais além disso nós consideramos que o diálogo de saberes é um requisito fundamental gerar formas de conhecimento e ação que possam contribuir ao desenvolvimento de formas sociais de controle, governo e distribuição da água e dos serviços relacionados com ela, fundados nos princípios da igualdade, a inclusão e a democracia substantiva, material, no meramente retórica.

 

Membros

Galería multimídia